29.3.09

É tudo free!

Para ler e amar... quero dizer, refletir:
"A televisão é a única cultura realmente democrática - a primeira cultura disponível para todos e completamente governada pelo que as pessoas querem. O que mais assusta é saber o que as pessoas querem" - Clive Barnes
"Onde todos pensam da mesma forma, ninguém pensa muito" - Walter Lippmann
"As principais coisas que parecem, pra mim, serem importantes em si e não meramente como meios para outras coisas, são conhecimento, arte, felicidade institiva e relações de amizade e afeição" - Bertrand Russell
"Toda indústria que se torna digital, no fim das contas também se torna gratuita" - Chris Anderson

Num futuro não tão distante, a cultura e a educação serão completamente democráticas - todas as pessoas terão acesso a elas porque elas serão completamente gratuitas. Será que eu tô viajando? Doidão? Sou otimista demais? Conversei com a mãe Diná ou li textos secretos de Nostradamus? Não, não é bem isso. Essa é uma ideia defendida pelos teóricos visionários da "cultura do grátis".

O Chris Anderson, editor da Wired e autor de textos sobre a cauda longa, escreveu sobre esse assunto polêmico em um artigo (ing) e deu uma entrevista (ing) na última edição do SXSW (leia AQUI uma entrevista dele para Época, em que ele explica o conceito de cauda longa). Chris explica que há pouco tempo, economistas acreditavam que você só poderia ganhar um produto se comprasse outro. O novo modelo, no entanto, demonstra que algo pode ser REALMENTE grátis porque seu custo está caindo para níveis muito próximos de zero. A tecnologia digital tem se tornado barata demais para ser comercializada. A largura da banda de internet e o armazenamento digital de conteúdos seguem essa tendência, que é irreversível. As indústrias da música, dos filmes, da educação, entre outras, estão se reinventando. A empresa mais revolucionária da história recente - a mesma que vai conquistar o mundo, HAHAHAHAHA (piada pra quem vem acompanhando outros textos) - viu suas ações virarem ouro através da entrega gratuita de serviços, produtos e conteúdos. O Twitter, outra revolução que está testando um novo modelo de negócio, é comprometido com a cultura do grátis. Chris afirma, categoricamente, que não há escapatória: TUDO o que for digitalizado será gratuito em muito pouco tempo. No vídeo abaixo, em inglês, assista o Chris dando uma breve explicação.



Quer outras provas dessa previsão?

- Esse artigo de um blog de tecnologia dá mais explicações sobre a cultura grátis, informa que gigantes da mídia e dos softwares começaram a abrir seus conteúdos e que acordos importantes têm sido criados no Brasil e no mundo. (port)
- Professores de cursinhos dão dicas para alunos que querem estudar em casa. (port)
- Morro Santa Marta no Rio recebe internet sem fio e gratuita. (port)
- Música de graça na internet segue passos do Radiohead. (port)
- MUITO BOM: YouTube está trazendo educação gratuita às massas: O YouTube acabou de lançar um sub-site chamado YouTube EDU, juntando milhares de aulas de centenas de universidades no mundo, como MIT, Yale, Harvard, Stanford... Há mais de 200 cursos completos e alguns deles podem ser do seu interesse, como Introductory Quantum Mechanics II, do MIT. Leia mais em português AQUI e em inglês, com mais informações, AQUI.
- O Google (seeempre ele!) está investindo cada vez mais em livros digitais, muitos deles para download gratuito. (ing)
- Esse artigo do Lifehacker apresenta as 10 melhores ferramentas atuais para uma educação gratuita, incluindo MBAs. (ing)
- Esse programa da Inglaterra visa tornar um número enorme de recursos educacionais, criados por acadêmicos, gratuitos, de fácil acesso e frequentemente re-utilizáveis por educadores e educandos. (ing)
- Um relatório criado por economistas de uma universidade australiana diz que o livre acesso a publicações acadêmicas economizariam um mundo de dinheiro, estimulando a a melhor qualidade de pesquisas e maximizando o impacto econômico. (ing)
- Vários outros sites, recursos e ações já apresentados aqui no blog (o livro "Para entender a internet", a "Universidade do Povo", etc) e a própria existência desse e de inúmeros outros blogs e sites de educação.

Enfim, acho que já te convenci.

Então quem sabe, daqui algum tempo, todas as pessoas do mundo serão autodidatas e não serão mais obrigadas a frequentar escolas e universidades a partir de uma certa idade - elas serão protagonistas do conhecimento e se reunirão para produzir, conduzir pesquisas em campo e experimentos. Quem sabe todas elas terão portfólios online que ilustrarão seus projetos e o que podem fazer - currículos e diplomas não terão mais valor. Quem sabe... A r(evolução) está apenas começando.

ATUALIZAÇÃO (depois de mais ou menos 2 horas da publicação inicial desse texto). Se você ainda não acredita na mudança constante e acelerada que estamos vivendo atualmente, veja esse vídeo e reveja as suas conclusões... (vou tentar achar uma versão com legenda... uma futura atualização é possível).

25.3.09

Um montão de coisas!

Clique AQUI para ver algumas fotos do futuro (quando o Google já terá dominado o mundo, HAHAHAHAHA _gargalhada maquiavélica).

Estou feliz! Hoje o Maurício Blanco, pesquisador do IETS e coordenador técnico da Sinais Sociais, me convidou para escrever um artigo para a publicação. Estou de parabéns! :) (vou ficar mais de parabéns ainda se escrever um artigo muito bom e ele for publicado).

Trocando o assunto, aí vai um montão de informações, ferramentas e recursos relacionados à educação, tecnologia, redes sociais, artes, etc... Se alguém ainda não sabe, pra ler é só clicar sobre os links.

#Educação

- O livro "O Professor como Educador", do mestre Antônio Carlos Gomes da Costa, é, na minha humilde opinião, o melhor livro que eu já li direcionado a professores. Ele também está disponível na web gratuitamente. (port)
- Segundo o Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade/MEC), das 13 áreas em que se pode comparar estudantes da educação presencial com aqueles a distância, observa-se que em sete cursos os alunos de EAD foram melhores, com rendimento até 50% superior. (port)
- MEC quer unificar os vestibulares das universidades federais. (port)
- O relatório "Horizon Report: 2009 K-12" é a segunda edição de uma série de excelentes relatórios que examinam novas tecnologias e seu potencial para impactar a educação até o ensino médio. (ing)
- Uma possível grande reforma do currículo das escolas fundamentais britânicas pode levar os alunos a estudarem e saberem utilizar blogs, o Twitter e a Wikipedia. (ing)
- Escolas estão desestimulando o uso de novas tecnologias pelos alunos. (ing)
- O site Big Think publica pequenos vídeos de grandes pensadores mundiais com suas percepções sobre o mundo e acontecimentos atuais. (ing)
- Página do Delicious com vários links relacionados a educação e tecnologia. (ing)
- O programa Google Summer of Code, que apresenta os alunos ao desenvolvimento de softwares livres, abriu as inscrições para a edição desse ano. O programa já levou aproximandamente 2.500 alunos a trabalhos em indústrias e na academia. (ing)
- Novas pesquisas mostram que alunos no mundo todo sentem que seu potencial para pesquisa, criatividade e aprendizagem é diminuído pela falta de acesso à internet e a proibição à utilização de seus celulares e consoles de games nas escolas. (ing)
- Um artigo recente publicado na Edutopia diz que estados americanos e escolas estão oferecendo mais aulas artísticas (apesar da pressão dos testes em matérias científicas) por acreditarem que a arte contribui para o desenvolvimento do aluno e pode ser utilizada como ferramenta de aprendizagem. (ing)
- O Pinakes conecta leitores com todos os tipos de links úteis na internet - muito bom para quem quer estudar uma matéria específica, mas não sabe onde começar. (ing)
- A Teaching Company procura alguns dos melhores professores nos EUA para publicar suas aulas expositivas. Recentemente, a empresa começou a adicionar mini-aulas no YouTube. (ing)
- O site WikiEducator quer construir uma comunidade global de educadores para desenvolver uma versão completa e gratuita de currículo até o ano 2015. (ing)
- O Games in Schools é uma rede social criada no Ning para encorajar educadores a trocar experiências, pensamentos e visões sobre a utilização de games nas escolas através de fóruns de discussão, fotos e vídeos. (ing)
- Uma entrevista com o professor de cognição e educação Howard Gardner revela as cinco mentes que precisamos para ter sucesso, como melhorar nosso processo de decisão e porque a ética é tão importante. (ing)
- O Futurelab tem um mundo de recursos relacionados à educação e tecnologia. (ing)
- Quantificando a humanidade - esse projeto transforma muuuitos dados das nações unidas em gráficos e ilustrações de fácil compreensão. (ing)

#Tecnologia e #Redes_sociais

- Artigo da Época Negócios sobre o poder das redes digitais. (port)
- Artigo do G1 diz que já existe uma bateria de celular que recarrega em 10 segundos. (port)
- A Caligraffiti mostra que foi criado um controle para Wii que funciona como spray. (port)
- Texto hiper bem-humorado sobre o futuro do "maldito" Twitter. (port)
- Outro artigo da Época Negócios aborda o conceito de hub, rede social onde todos, como eu, trabalham em projetos que têm por objetivo melhorar o mundo. ;) (port)
- Slides da apresentação utilizada pelo Interney no debate sobre o poder das mídias sociais no WebExpoForum. (port)
- US$2,3 bi a mais na publicidade em redes sociais em 2009 - informaçao da Folha Online. (port)


20 anos atrás, Tim Berners-Lee inventou a internet. Nesse vídeo, ele explica o seu novo projeto: uma rede para dados abertos e conectados que poderá fazer para os números o que a web fez para palavras, figuras e vídeos: destravar as informações e redesenhar a maneira como utilizamos os dados em conjunto. (ing)
- Nesse outro vídeo, criado pela Microsoft, podemos entender razoavelmente bem como será a nossa interação com os computadores em um futuro mais ou menos próximo. (ing)
- Segundo esse artigo da Wired, no futuro as compras serão bem diferentes, já que os produtos serão produzidos em nossas casas. (ing)
- MUITO LEGAL! Em setembro desse ano, começa a funcionar o Instituto Global de Empreendedorismo Social. Que tal começar alguma coisa? (ing)
- Artigo da Pop!Tech comenta sobre o esforço de se mapear o solo digitalmente em 42 países na África. (ing)
- Você já ouviu falar em código de ética para web? (ing)
- Artigo da Mashable sobre o mais novo produto da Google (que vai conquistar o mundo): o Google Voice! (ing)
- Começando a sessão de recursos: como importar vários serviços para sua página do Facebook. (ing)
- Como concentrar todas as suas identidades sociais em um só lugar. (ing)
- Como colocar narrações de vídeos nas suas apresentações. (ing)
- Artigo da Businessweek sobre como gerenciar o seu tempo na era da mídia social. (ing)
- Como dar aulas online. (ing)

#Artes e #Games


Na Caligraffiti _ Das ruas de Nova York (em skate) direto para a internet. O vídeo acima foi filmado com uma Casio EX-F1, com 300fps e editado a 24fps, o que deu esse efeito muito legal de slow motion.
- Do mesmo site vem a notícia de um projeto que fotografou tribos e estilos diferentes, inclusive em uma visita ao Rio, em 2000. Engraçado como as pessoas querem ser diferentes e se encaixar ao mesmo tempo. Contraditório? Nem tanto! Somos todos iguais. (port)
- Entrevista da Guardian com o homem que criou a indústria dos Games: Nolan Bushnell. (ing)

Acho que deu. Né?

24.3.09

Educação para quê?



O CQC é uma sensação da nossa TV, não só por causa do humor, mas também porque é inteligente, sério e, por que não dizer, educativo. O vídeo acima, por exemplo, nos lembra que cada povo tem o governo que merece - e que elege. Quando dizemos que o congresso é corrupto, estamos afirmando, ao mesmo tempo, que a nossa sociedade é corrupta e que eu e você, se não somos corruptos, no mínimo não fazemos nossa parte como cidadãos.

Como mudar? Que tipo de sociedade nós queremos? Para responder essa pergunta, colo um pedaço de um texto do mestre Antônio Carlos Gomes da Costa (Protagonismo Juvenil - você pode ler o texto inteiro clicando AQUI)

"No Brasil esta questão já está respondida no artigo 30 da nossa Constituição Federal:
Artigo 30: “Constituem objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil:
I - construir uma sociedade livre, justa e solidária;
II - garantir o desenvolvimento nacional;
III - erradicar a pobreza e a marginalização e reduzir as desigualdades sociais e regionais;
IV - promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação.

E como fazer isso?
Essa pergunta nos remete à questão dos meios da educação. Se quisermos transmitir valores às novas gerações, não deveremos nos limitar à dimensão dos conteúdos intelectuais, transmitidas através da docência, devemos ir além. Os valores devem ser, mais do que transmitidos, vividos. A inteligência não é a única via de acesso e expressão dos valores. Eles se manifestam quando sentimos, escolhemos, decidimos ou agimos nesta ou naquela direção.

No interior dessa visão, o que significa educar?
Educar, de acordo com a visão aqui defendida, é criar espaços para que o educando possa empreender ele próprio a construção do seu ser, ou seja, a realização de suas potencialidades em termos pessoais e sociais."

Um resumo disso tudo seria:
Educação de qualidade para todos = educação de valores para todos = sociedade livre, justa, solidária e honesta = representantes mais competentes e honestos.

Sacou ou quer que eu desenhe?

22.3.09

Tsunami de informações

Uma das consequências do tsunami de informações que estamos nos acostumando a receber todos os dias é o sentimento de ansiedade e angústia. Preciso receber todas as informações importantes, entendê-las e saber aplicá-las à minha vida. Preciso estar conectado, ler emails, tweets, sites, blogs e continuar "vivendo": dormir, comer, trabalhar, me relacionar também na vida real, etc. Preciso identificar o que é fato e o que é propaganda, mito ou spam. Preciso planejar o futuro, que eu não tenho a menor ideia de que cara terá. Preciso lidar com neuroses e medos que me perseguem desde que eu me entendo por gente. Preciso respirar. Será que a minha lista de prioridades tá certa?

O Luli Radfahrer deu uma entrevista para Patrycia Travassos no GNT Alternativa Saúde e fala, dentre outras coisas, sobre as inovações tecnológicas e sua influência no comportamento:



Esse mesmo Luli (aliás, é o único Luli que eu conheço) fez uma palestra muito legal na terceira edição do projeto Descolagem realizado no NAVE em 22/11/08, sobre a tecnologia e o futuro da educação:



Você pode encontrar mais informações sobre o Luli na sua página (excelente, sobre design de interfaces e criatividade digital e com muitas informações relacionadas à educação) e pode segui-lo no Twitter (o último tweet dele foi: "Sem Twitter no fim de semana. Adicção tem limite.").

#CURTAS:
@ Pesquisadores dizem que amigos virtuais podem atrapalhar relações reais. Comentário: quantos casais que você conhece já apagaram suas páginas no Orkut ou brigaram por causa delas? O problema está no Orkut ou nas pessoas?
@ Surge mais um tipo de grupo: o nerd vaidoso ou tecnossexual. Nem olhem pra mim!

xxx

SXSW

O SXSW (abreviação de South by Southwest - Sul por Sudoeste) é um grupo de festivais e conferências interativas sobre tecnologia, filmes e música que acontece todas as primaveras na cidade de Austin, Texas. A primeira edição foi em 1987, como um pequeno festival de música e foi se transformando no que é hoje um dos principais eventos de mídia que reflete, discute, mostra e cria tendências relacionadas à cultura e mídia. A edição desse ano acabou de acontecer e foi seguida de perto por curiosos do mundo todo que inundaram a blogosfera (e a twitosfera) com informações sobre o evento. Abaixo está a ilustração gráfica da palestra de abertura do evento, por Tony Hsieh of Zappos (clique sobre a imagem para vê-la em tamanho maior).



Um dos painéis com maior repercussão (na área de educação e tecnologia) no SXSW desse ano foi o chamado Edupunk: educação de código aberto. A introdução do painel é: "Professores que adotam o faça-você-mesmo em todo o mundo estão utilizando sistemas de código aberto para gerenciamento de cursos, livros de acesso aberto e outros recursos de código aberto para quebrar as correntes e limitações de programas educacionais de empresas. Esse painel sobre os edupunks vai estremecer o evento discutindo esse movimento, os desafios e seu futuro."

Uma análise legal desse painel foi escrita por Lionel Menchaca (clique AQUI para ler o texto, em inglês). Um dos tópicos mais debatidos foi "se a tirania do conhecimento móvel - como o Twitter - não estaria empobrecendo o pensamento crítico e a reflexão aprofundada". A conclusão de Lionel é que a educação, como outras "indústrias", precisa evoluir e a tecnologia pode ser utilizada pra isso. Mas a tecnologia pode também atrapalhar. Como em toda discussão complexa, não há uma resposta fácil.

@ Clique AQUI para ver 70 páginas de anotações criativas que Mike Rohde fez durante o SXSW '09.

18.3.09

A R(evolução) em rede continua

Recebi o link do André Couto (do Oi Futuro), que o recebeu de uma professora do NAVE. O vídeo a seguir é chamado de "A História das Coisas", mas um título melhor seria: Como os EUA, o Brasil, eu e você estamos nos auto-destruindo. Assista e reflita: será que nós estamos contribuindo para a boa gestão, a engenhosidade e a poupança ou para o consumismo desenfreado? Posso dizer que não estou fazendo a minha parte. :( Posso também me esforçar pra mudar, educar a mim mesmo, as pessoas que conheço, pressionar os governantes e agir conscientemente, ou culpar os outros e continuar errado. E aí, o que vai ser?


xxx

Recebi do Luli pelo Twitter. Uma iniciativa do Juliano Spyer é um exemplo de uma ação revolucionária. De acordo com ele: "Mais um livro está saindo do forno. E, dessa vez, um livro 100% Web, integralmente disponibilizado em PDF e também por um site para leitores debaterem e conversarem entre si e com os autores sobre assuntos de interesse comum. O livro é uma coletânea e se chama Para entender a internet - Noções, práticas e desafios da comunicação em rede - ao lado, a capa. Participam 38 autores, todos eles protagonistas brasileiros em seus campos de atuação." ... "Muitas pessoas ainda sentem que a tal revolução trazida pela Web é uma festa para a qual eles não foram convidados. Muitos professores de escolas públicas e privadas, empreendedores, executivos, comunicadores, administradores públicos e uma boa parte da sociedade civil não entendem o motivo de tanta euforia em relação à internet. Esse livro pretende ser um convite para que elas entrem e participem da festa." Você pode ler o livro ou baixá-lo em PDF através do site oficial (mas só imprima se for realmente necessário!). Detalhe: você pode consumi-lo sem pagar - é gratuito!

xxx

Recebi da Jamie pelo Twitter. Mais uma ação de ruptura inovadora na área da educação: uma universidade virtual gratuita que utiliza conteúdos de acesso público. A University of the People (ou Universidade do Povo) começa as atividades no mês que vem, cobrando taxas irrisórias somente para matrícula e avaliação. Eles só aceitarão alunos com diploma de ensino médio e proficiência em inglês. De acordo com a página da universidade (tradução livre): "A universidade funcionará eficientemente e com recursos limitados sem sacrificar a qualidade da educação utilizando um sistema de aprendizagem virtual aberto e colaborativo. Esse sistema vai estimular o ensino entre alunos para que alunos do mundo todo possam contribuir. Dentro de comunidades virtuais, os alunos compartilharão recursos, trocarão ideias, discutirão tópicos semanais e enviarão tarefas e testes. O currículo será criado por pesquisadores reconhecidos. Uma comunidade de educadores composta por professores ativos e aposentados, bibliotecários, alunos de mestrado e outros profissionais participarão e supervisionarão o processo avaliativo. Eles também desenvolverão procedimentos constantes de avaliação e desenvolvimento de currículos."

Depois das notícias principais, mais alguns artigos, vídeos e textos que podem lhe interessar. Afinal de contas, você não precisa ficar trabalhando tanto só pra estimular o seu consumismo, não é mesmo???

#Educação
- Aluna de 9 anos está aprendendo 3 idiomas - ing
- Pesquisa mostra que as crianças e os jovens brasileiros usam internet, celular, videogame e TV mais para brincar do que para estudar - port
- Vale a pena dar recompensas para alunos? - port
- Como utilizar o Twitter na educação formal - ing
- Como utilizar o Second Life na educação formal - ing
- Por que as "Kipp Schools" funcionam - ing
- Por que as "charter schools" funcionam só parcialmente - ing
- Softwares de leitura e matemática não alteram significativamente as notas dos alunos - ing

17.3.09

#TWITTERéPOP


O Twitter tá bombando. Fato. O Twitter é bom demais. Fato. Por que? - várias pessoas me perguntam. Minhas respostas (completamente pessoais):

1) Não preciso mais entrar no UOL, no Globo.com, no Economist.com, ou outros sites pra buscar notícias que eu considero relevantes. Eu sigo pessoas reais (@Noblat) ou pessoas que representam sites - ou mesmo áreas de sites (@Wired ou @uol_economia)-, que enviam as notícias que eu quero ler pra mim. Em outras palavras, eu não vou atrás das notícias, elas vêm a mim.

2) Está milhões de vezes mais fácil encontrar e receber notícias de pessoas, sites e organizações que escrevem sobre coisas do meu interesse.

3) O Twitter é bom pro ego. As pessoas ficam felizes quando recebem cartas, quando recebem encomendas, emails e agora tweets, principalmente se é uma resposta a algo que você perguntou ou se é uma mensagem direta, inteirinha, só pra você. Além disso, seu ego também infla ao perceber que há mais pessoas te seguindo. É besta, mas quem não é, né?

4) Sabe aquelas ideias de O Segredo, de pedir pro universo, e etc? Isso agora está mais concreto que nunca. Se precisou de uma informação e é seguido por pessoas legais, a chance de você receber uma resposta sobre a sua dúvida mais cruel é altíssima (eu já testei). Ou seja, não é que o Twitter seja um msn, mas você pode ter conversas úteis ou completamente banais através dele.

5) O Twitter me faz feliz. Sério! Eu dou muuuuuita gargalhada com alguns tweets. Olha isso do @rafinhabastos: "Bronzeamento artificial deixa a pessoa com cara de anão Oompa Lompa."

6, 7, 8,...) Você pode encontrar um emprego pelo Twitter, o Twitter pode trabalhar por você e você pode educar também! Pense nas possibilidades de interatividade: o educador se aproximando mais dos educandos, enviando lembretes, resumos, desafios, torneios, notas, ...

Mais artigos sobre (quase) tudo o que você gostaria de saber sobre o Twitter, mas teve preguiça de googlar:

Em português:
O Twitter vê e mostra tudo (revista Época dessa semana)
Guia rápido pra entender o Twitter (UOL Tecnologia)
Há twiteiros verdadeiros e falsos
Twitter explora a curiosidade sobre a vida alheia (G1)
Twitter vira febre
O Twitter é o novo Orkut?
O Twitter está mudando o jeito de fazer piadas

Em inglês:
Como twitar profissionalmente
O Twitter já tem mais acessos do que a grande maioria dos sites de jornais da Inglaterra
Se o Twitter é um saco, o problema é contigo (e com seus amigos)
100 ferramentas do Twitter que podem te auxiliar a atingir os seus objetivos
Como fazer uma página legal no Twitter
Diferentes formas de se visualizar o Twitter
Há vários sites que funcionam como ferramenta para o Twitter (como para enviar vídeos)
Utilize o WeFollow pra achar pessoas que têm o mesmo interesse que você
O Twitter sobreviverá a sua popularização?

Não poderia deixar de incluir o Twitter Dance!

Dez lições curiosas de oratória

Acho falar bem (a coisa certa, na hora certa, da forma certa) tão importante e gostei tanto desses conselhos que decidi fazer esse texto emergencial. O artigo completo está AQUI. Tomara que consigamos colocar em prática! ;)

1- Considero uma medida de higiene mental evitar discussões sem necessidade.
2- O sentimento de inferioridade oratória tem às vezes outro inconveniente: que determina em muitos casos a irritação, quando não os arrebatamentos de cólera. Perde-se então o sangue frio e ao antagonismo normal somam-se desnecessárias animosidades.
3 - Os piores defeitos físicos perdem muito do seu caráter repulsivo naqueles que falam de maneira encantadora. Por mais desagradável que seja a aparência do indivíduo, pode ser procurado, admirado, querido, se tiver uma maneira agradável de expor suas idéias, se cultivar sua voz, sua forma de articular as palavras, seu vocabulário e seu talento.
4 - O falar bem é atuar sobre si mesmo, vigiar a própria espontaneidade, obrigar-se ao cuidado da retidão, a uma atenção minuciosa, a um esforço de direcionamento das palavras empregadas na conversação.
5 - Com um mínimo de conhecimento sobre o tema e se mantiver a calma, falará com facilidade para milhares de pessoas como se estivesse falando para meia dúzia de ouvintes.
6 - Antes de falar, deve-se evitar os alimentos que exijam muito do organismo (álcool, açúcar e carne em excesso), a companhia de pessoas agitadas e muito falantes, as discussões inúteis, assim como fortes doses de café e de chá se elas o deixarem excitado.
7 - Adote uma atitude resoluta. Para isso, a autossugestão, praticada de forma afirmativa, contribui sempre para aquisição da segurança verbal. Ninguém está eternamente desprovido de elementos geradores de vigor psíquico.
8 - Ao acabar de ler o capítulo de um livro, resuma o conteúdo, o significado da mensagem da mesma maneira como se precisasse expô-lo diante de uma centena de pessoas.
9 - À noite, pouco antes de dormir, descreva minuciosamente seus feitos e atitudes do dia, construindo frases que expressem com clareza as informações de que puder se lembrar.
10 - Na fase de aprendizado, não convém ainda se preocupar com a elegância e a beleza da comunicação. Agora só interessa adquirir segurança e clareza. Por isso, é preciso repudiar as formas presunçosas, o purismo gramatical, as palavras incomuns e todas as expressões das quais ainda não tenha entendido perfeitamente o sentido.

13.3.09

O primeiro gênio musical do Twitter

"Tão inacreditável, tão ilegal. O que vamos fazer contigo, futuro?" (43 Folders)*



A cada dia que passa, eu fico mais estarrecido com a revolução gerada pela internet. Revolução de democratização, de pensamento, de informação, da pós-modernidade, seja lá o que for, o objeto desse texto é mais uma prova dela.

O músico israelense Ophir Kutiel, mais conhecido como Kutiman, acaba de produzir e lançar um projeto chamado Thru You (Através de Você - tradução livre). O projeto consiste em sete músicas feitas exclusivamente de pedaços de vídeos encontrados no YouTube. Durante 3 meses, Kutiman se trancou em seu quarto para recortar e colar centenas de vídeos de cantores e músicos (tocando guitarras, pianos, baterias, arpas, sintetizadores e até um caixa registrador). Além do aspecto revolucionário da criação musical, há também um interessante ângulo da mídia social. Seu projeto se tornou uma das últimas e maiores sensações da internet, sucesso atingido através do "boca a boca" na blogosfera e no Twitter. O site do projeto foi visitado por mais de um milhão de pessoas em menos de 7 dias sem qualquer tipo de propaganda ou corporação envolvida.

Para ler mais:

Página oficial do projeto_ing
Twitter do Kutiman
Artigo_ing: Kutiman matou a estrela dos vídeos (TechCrunch)
Artigo_ing: Música feita por e para a geração YouTube (Mashable)
Artigo_ing: Kutiman, a grande mídia e o futuro do empreendedorismo criativo (43 Folders)



*Esse texto foi criado a partir de traduções livres de pedaços de textos das páginas citadas acima.

11.3.09

Hacking education: A escola está morta

Sabe esse modelo de escola que eu, você, nossos pais, avós e bisavós (se eles fossem da elite brasileira) participamos? Pois é... ele MOR-REU! Ainda que a escolinha ali da esquina seja a mesma até hoje, as pessoas que pensam a educação do futuro estão decretando, a cada dia, cada evento, cada reunião virtual: esse modelo passou dessa pra melhor, bateu as cachuletas. As secretarias, escolas e gestores que se apoderam do sistema, o professor centralizador do conhecimento, as carteiras enfileiradas que impedem a comunicação entre alunos, a necessidade da aula presencial, da chamada, do horário fixo, a utilização de livros didáticos, alunos vinculados a uma única instituição, a importância dos diplomas, a ideia de universo estável e mecanicista de Newton, as regras metodológicas de Descartes, o determinismo mensurável, a visão fechada de um universo linearmente concebido, toda essa lista de coisas ou já foi dessa pra melhor, ou está em coma profundo (e precisando respirar por máquinas).

Algumas evidências desse falecimento são o paradigma educacional emergente, descrito por Maria Cândida Moraes, a educação interdimensional, do professor Antônio Carlos Gomes da Costa, a corrente de pensadores transdisciplinares, como Maria Melo da Escola do Futuro, e o novo modelo construtivista, interacionista, sociocultural e transcendente que está sendo idealizado e defendido por vários estudiosos. Esse movimento de ruptura com o modelo antigo não acontece só aqui. No último dia 06/03, sexta-feira, a Union Square Ventures organizou uma sessão com pensadores, educadores, investidores e outras lideranças para pensar e discutir ações de ruptura com o modelo de educação atual. De acordo com Fred Wilson, criador do Union Square Ventures, algumas das previsões arriscadas pelo grupo são:

1) Os alunos e os pais controlarão o sistema educacional, incluindo a escolha das escolas, professores, aulas e até o currículo. Isso é o que a internet faz - transfere o controle de instituições para indivíduos, e é o que vai acontecer com a educação também.
2) Formas alternativas de educação (online, em casa, de jovens e adultos, para a vida toda, ...) estão se popularizando, mas esse é apenas o início de uma tendência.
3) Os alunos vão passar a ensinar também. O trabalho cooperativo vai deixar de ser simplesmente voltado para conteúdo e passar a produzir aprendizagem.
4) Credenciais e diplomas serão menos importantes, já que o trabalho dos alunos será disponibilizado e avaliado online (possivelmente através de portfolios).
5) O processo de aprendizagem ocorre de baixo pra cima enquanto o antigo modelo de educação ocorre de cima pra baixo. Teremos mais aprendizado e menos educação formal no futuro.

Para ler mais:
Artigo original do Fred Wilson
A universidade do Planeta Terra (e o auto-didatismo)
Escolas na era da abundância

xxx

Outras notícias e artigos interessantes:

O poder do Twitter, Twiteiros indicam twiteiros e 7 piores erros de novos twiteiros

Brasil é recordista mundial em membros de redes sociais, tempo gasto na internet e redes sociais já são mais populares que emails

Lista dos países mais inovadores e lista das melhores invenções dos últimos 30 anos

A polêmcia sobre as habilidades necessárias para o século 21 e as habilidades relacionadas ao uso de computador que deveriam ser ensinadas

9.3.09

Podcasts e videogames ensinam mais?

"Um estudo recente publicado pela New Scientist avaliou a eficácia de uma aula de podcast em comparação com uma aula presencial normal. Placar final: 1 a 0 para o podcast. Por incrível que pareça, os alunos que ouviram o podcast da iTunes University tiveram notas substancialmente melhores na prova do que seus colegas que foram pra aula e ouviram o mesmo conteúdo."

Será que isso acontece porque os alunos podem ouvir na hora que estiverem com mais vontade ou mais descansados? Ou porque podem ouvir a aula várias vezes e repetir as partes que tiverem alguma dúvida? Ou será que é mais confortável ter uma aula deitado no seu sofá do que ter de ir até a universidade? Uma coisa é certa: a pesquisa está criando mais motivos para que os alunos matem aulas.

Leia mais (em inglês) AQUI!

xxx

O New York Times publicou no ano passado uma série de artigos sobre video games e computadores na educação. Um deles, sobre a possibilidade dos video games estarem incentivando os alunos a ler mais, criou muita polêmica. O outro artigo é sobre o video game Dimension M que testa os alunos com problemas de matemática, de álgebra a frações. Ele parece ser um motivador externo para que os alunos estudem mais. Um deles disse: minhas notas melhoram e o meu desempenho no jogo também! Ambos artigos estão em inglês.


Uma das certezas que eu tenho é que a educação do futuro é baseada em jogos, entretenimento e celulares.

7.3.09

Asas à criatividade!

“Se todas as pessoas virassem vegetarianos, o que aconteceria com as vacas? O que causa a erosão? Eu já vi fantasmas na internet, então isso significa que eles realmente existem, certo? ... Quando crianças e jovens têm a oportunidade de deixar suas mentes viajarem, é inacreditável o que eles podem criar. Em Bristol, um estilo especial de aula foi desenvolvido precisamente para dar aos alunos de 11 a 14 anos uma oportunidade de investigar a fundo questões como essas. ... O criador desse projeto (Futurelab) estima que 30 escolas estão utilizando o programa Mentes que Indagam, depois que ele foi desenvolvido em duas escolas de Bristol num período de 3 anos.”

Eu gostei do programa porque instiga a criatividade, ao invés de limitá-la. Só acho que professores poderiam aproveitar o gancho do que os jovens criam e relacionar as criações com o conteúdo formal. Se você quiser ler mais sobre isso, leia esse artigo ou visite o site do projeto (em inglês).

XXX

Intervenções urbanas, você sabe o que são? De acordo com esse site, “Intervenção Urbana é o termo utilizado para designar os movimentos artísticos relacionados às intervenções visuais realizadas em espaços públicos. No início, um movimento underground que foi ganhando forma com o decorrer dos tempos e se estruturando. Mais do que marcos espaciais, a intervenção urbana estabelece marcas de corte. Particulariza lugares e, por decupagem, recria paisagens. Existem intervenções urbanas de vários portes, indo desde pequenas inserções através de adesivos (stickers) até grandes instalações artísticas.”

Ficou curioso? Dá uma olhadinha nessas fotos e depois me avisa se essa forma de arte te agradou.

XXX

Oito ferramentas excelentes para o Twitter. Se você, como eu, está se tornando ou já se tornou um twiteiro, talvez queira dar uma olhada nessas ferramentas.

Sobre designs, jogos e o jeitinho brasileiro

“35 Designs de páginas da web da indústria da música que inspiram”. Alguns são realmente lindos!
http://vandelaydesign.com/blog/galleries/music-websites/

“Formada em relações internacionais, Mariana Barros ensina costumes brasileiros – e o famoso “jeitinho” – a estrangeiros de multinacionais que moram aqui”. Fiquei curioso... será que ela ensina o lado bom, o lado ruim, ou os dois lados do jeitinho?
http://revistaepocasp.globo.com/Revista/Epoca/SP/1,,EMI62343-15375,00.html

“Lista criada pelo Guinness dos 50 jogos mais influentes da história” (conheço muito poucos, preciso jogar mais!):
http://url20.ca/ired

“MMORPGs – jogos online de RPG para vários jogadores – como World of Warcraft, Eve e EverQuest podem ser os melhores simuladores dos ambientes de negócios do futuro. Isso é o que diz Byron Reeves, Thomas W. Malone e Tony O’Driscoll na Harvard Business Review desse mês. Os autores concluíram que esses jogos simulam muito bem o mundo mutante dos negócios: processos de decisão em equipe, respostas rápidas, times restritos e liderança através da colaboração ao invés da autoridade.”
Isso quer dizer que os MBAs do futuro terão aulas com jogos?:)
http://url20.ca/ibas

Entrando no Starry Night


Basta dizer que essa também é uma de minhas pinturas favoritas. Esse pequeno vídeo (Watch the World, por Robbie Dingo (http://blip.tv/file/304481), prova que a tecnologia pode criar produtos e sensações mágicas. Aí vai um pouco da introdução criada pelo próprio autor:

“Cabeças desenquadradas em paredes sem nome, com olhos que veem o mundo e não podem esquecer – como estranhos que você já conheceu” (Don McLean). Alguma vez você olhou a sua pintura favorita quis entrar pra dar uma volta lá dentro, podendo ver perspectivas diferentes? Passe um único dia dentro da minha, do amanhecer de um novo dia até o pôr do sol, quando a luz invade as casas; através de uma noite calma, até a manhã. Filmada no Second Life e então pós-produzida, essa era uma ideia que eu tive há um tempo. ... Esse trabalho é dedicado a todos os estranhos maravilhosos desse planeta que eu conheci, mas nunca realmente conheci.

Assista AQUI.

4.3.09

Bora participar?

Hora do planeta 2009: a hora de mostrar que a gente quer mudanças na proteção ambiental.

Todos amam o Google?


Temos conversado aqui no Oi Futuro sobre esse tema. O Google hoje já é tão grande e possui tantas informações de tantas pessoas no mundo, que algumas pessoas começam a temê-lo. O artigo do New York Times abaixo discute o tema. Será uma neurose sem sentido ou um medo justificado do que pode ser uma cobra em pêlo de cachorro? Você decide o final!

Raras escolas

O que mais há pelo mundo são escolas que precisam enfrentar ambientes perigosos e famílias desestruturadas para ter sucesso (ter sucesso = fazer com que os alunos de fato aprendam). O que menos há no mundo são escolas que conseguem de fato superar todas as dificuldades e ter sucesso nessas circunstâncias. Nesse artigo da BBC (em inglês), os autores citam algumas características que essas raras escolas têm em comum.

http://news.bbc.co.uk/1/hi/education/7907691.stm