18.3.09

A R(evolução) em rede continua

Recebi o link do André Couto (do Oi Futuro), que o recebeu de uma professora do NAVE. O vídeo a seguir é chamado de "A História das Coisas", mas um título melhor seria: Como os EUA, o Brasil, eu e você estamos nos auto-destruindo. Assista e reflita: será que nós estamos contribuindo para a boa gestão, a engenhosidade e a poupança ou para o consumismo desenfreado? Posso dizer que não estou fazendo a minha parte. :( Posso também me esforçar pra mudar, educar a mim mesmo, as pessoas que conheço, pressionar os governantes e agir conscientemente, ou culpar os outros e continuar errado. E aí, o que vai ser?


xxx

Recebi do Luli pelo Twitter. Uma iniciativa do Juliano Spyer é um exemplo de uma ação revolucionária. De acordo com ele: "Mais um livro está saindo do forno. E, dessa vez, um livro 100% Web, integralmente disponibilizado em PDF e também por um site para leitores debaterem e conversarem entre si e com os autores sobre assuntos de interesse comum. O livro é uma coletânea e se chama Para entender a internet - Noções, práticas e desafios da comunicação em rede - ao lado, a capa. Participam 38 autores, todos eles protagonistas brasileiros em seus campos de atuação." ... "Muitas pessoas ainda sentem que a tal revolução trazida pela Web é uma festa para a qual eles não foram convidados. Muitos professores de escolas públicas e privadas, empreendedores, executivos, comunicadores, administradores públicos e uma boa parte da sociedade civil não entendem o motivo de tanta euforia em relação à internet. Esse livro pretende ser um convite para que elas entrem e participem da festa." Você pode ler o livro ou baixá-lo em PDF através do site oficial (mas só imprima se for realmente necessário!). Detalhe: você pode consumi-lo sem pagar - é gratuito!

xxx

Recebi da Jamie pelo Twitter. Mais uma ação de ruptura inovadora na área da educação: uma universidade virtual gratuita que utiliza conteúdos de acesso público. A University of the People (ou Universidade do Povo) começa as atividades no mês que vem, cobrando taxas irrisórias somente para matrícula e avaliação. Eles só aceitarão alunos com diploma de ensino médio e proficiência em inglês. De acordo com a página da universidade (tradução livre): "A universidade funcionará eficientemente e com recursos limitados sem sacrificar a qualidade da educação utilizando um sistema de aprendizagem virtual aberto e colaborativo. Esse sistema vai estimular o ensino entre alunos para que alunos do mundo todo possam contribuir. Dentro de comunidades virtuais, os alunos compartilharão recursos, trocarão ideias, discutirão tópicos semanais e enviarão tarefas e testes. O currículo será criado por pesquisadores reconhecidos. Uma comunidade de educadores composta por professores ativos e aposentados, bibliotecários, alunos de mestrado e outros profissionais participarão e supervisionarão o processo avaliativo. Eles também desenvolverão procedimentos constantes de avaliação e desenvolvimento de currículos."

Depois das notícias principais, mais alguns artigos, vídeos e textos que podem lhe interessar. Afinal de contas, você não precisa ficar trabalhando tanto só pra estimular o seu consumismo, não é mesmo???

#Educação
- Aluna de 9 anos está aprendendo 3 idiomas - ing
- Pesquisa mostra que as crianças e os jovens brasileiros usam internet, celular, videogame e TV mais para brincar do que para estudar - port
- Vale a pena dar recompensas para alunos? - port
- Como utilizar o Twitter na educação formal - ing
- Como utilizar o Second Life na educação formal - ing
- Por que as "Kipp Schools" funcionam - ing
- Por que as "charter schools" funcionam só parcialmente - ing
- Softwares de leitura e matemática não alteram significativamente as notas dos alunos - ing

Nenhum comentário:

Postar um comentário