19.5.13

Em defesa do trabalho dos Professores da SME Rio


Pessoal, quero fazer uma defesa sincera e apaixonada dos Professores da Secretaria Municipal de Educação do Rio de Janeiro e do trabalho que eles fazem na autoria de apostilas, livros e aulas digitais.

Conheço bem uma grande parte desses Professores e sei que são profissionais comprometidos, dedicados e que muitas vezes abrem mão de horas de lazer, finais de semana e feriados para conseguirem executar um trabalho de qualidade. Acompanho, com alguma proximidade, esse trabalho de produção, revisão e publicação, encabeçado por Professoras de competência inquestionável, como a Maria De Nazareth (Vovó Naza), a Maria De Fátima e a Ana Veneno. É lógico que, porque somos seres humanos (apesar de robôs e máquinas também falharem), as apostilas, as aulas digitais e os artigos do Rioeduca nunca chegarão a um estado de perfeição. E nenhum livro, de nenhuma editora, tampouco.

Mas nós decidimos apostar no empoderamento e na co-criação, com uma rede que é mega criativa e que gosta de por a mão na massa. As apostilas, as provas e as aulas digitais estão à disposição online, via Rioeduca Net e intranet e recebem críticas e comentários de toda a rede.

Por conta de um problema na hora da formatação de uma tabela, vários canais da mídia estão noticiando um erro das capitais dos estados do nordeste, mas há também muita inverdade sendo veiculada. As apostilas e as aulas digitais não substituem os livros didáticos, a não ser nos três primeiros anos, quando temos o nosso próprio livro e o Pé de Vento, complementando e sendo recursos adicionais à disposição dos professores. Para a quantidade de apostilas, anos, alunos, escolas, o número e a frequência de problemas são ínfimos. Em sala de aula, cada professor continua, com autonomia, decidindo qual as melhores estratégias pedagógicas para cada grupo de alunos.

É um trabalho sério, competente e lindo, que não vamos e não podemos parar. Peço a ajuda de todos nessa defesa contra os argumentos radicais e as inverdades que estão sendo publicadas. Obrigado!!!

14 comentários:

  1. Rafael, antigamente tudo se podia. Não havia um norte, não havia uma só orientação. Em qualquer lugar que trabalhamos temos este norte. Agora, o temos. O aluno que sai de Ilha de Guaratiba pode continuar seus estudos sem atropelos em Ipanema. Mas se joga tudo fora por causa de um erro. Conheço pessoalmente a Professora que escreveu a apostila, e, ela é excelente profissional. E como você mesmo diz, os livros didáticos têm erros e são feitos de 4 em 4 anos com um monte de gente. Temos que dar um crédito a nos mesmos, Professores de Excelência da Rede.
    Beijos,
    Professora Andréa Barreto

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, querida, pelo apoio nessa defesa!

      Excluir
  2. Palavras da querida Vovó Naza: "Rafael, a elaboração dos 71 cadernos bimestrais e das provas só acontece porque já pactuamos,desde o início,que precisamos do monitoramento permanente daqueles que utilizam o material.Os professores nos enviam emails e nos ligam, com antecedência ,já que o material é disponibilizado na intra e no Rioeduca, antes de chegar à escolas, para nos sinalizar erros ou equívocos. Sem essa parceria, não teríamos aceito este desafio astronômico. É uma construção coletiva, artesanal. Uma via de mão dupla. O primeiro equívoco, em 2009, foi detectado por um aluno do CIEP Dom Oscar Romero - faltava um quadradinho na palavra cruzada. Ele foi até nós e conversou com a equipe. As erratas são enviadas e, quando não partem de nós, sinalizamos para a Rede o nome do Professor e a Escola em que atua. Sem essa avaliação permanente da Rede o trabalho seria inviável. Não somos uma editora. Somos professores que trabalham em conjunto,atendendo às demandas que nos chegam."

    ResponderExcluir
  3. Só complementando: ano passado no caso dos Cadernos de Ciências, 10 Professores eram convidados por bimestre para olharem e criticarem o Caderno. Muitos erros foram sanados assim!

    ResponderExcluir
  4. Só a equipe da SME, comandada pela Nazareth, conseguiu organizar esta força tarefa de produzir tanto material para a Rede. Parabéns equipe da CED. Heloísa Mesquita

    ResponderExcluir
  5. Beeeeeem que comentei isso com uma colega de lá: "Aposto que foi algum tilt na formatação!!" Acontece direto comigo quando trabalho com tabelas, ou, por exemplo, quando mudo de Office para Br Office!!
    Muitos colegas infelizmente comentam sem conhecimento, crucificam quem está lá ralando, fazendo um extenso e minucioso trabalho de pesquisa. Poderiam ajudar, sinalizando as falhas e sugerindo textos!
    É um trabalho apaixonante, dorme-se pensando em textos e atividades interessantes e desafiadoras.
    Temos de desejar o melhor sempre, ajudar, somar...
    Criticar e querer que tudo dê errado só para depois dizer "Mas eu te disse, eu te disse!!" é muita covardia...

    ResponderExcluir
  6. Como já cansei de comentar em outras redes sociais, acredito na hipótese de falta de cuidado na revisão.
    Vários colegas já citaram que, quando mudam de uma planilha para outra, este tipo de coisa pode ocorrer. Mas não revisar o serviço, após a mudança, não justifica isso.
    Só discordo do Rafael numa coisa: nós professores do 2º segmento acabamos sendo obrigados a utilizar o caderno pedagógico, pois as provas bimestrais são todas retiradas deles, se não repetindo questão, mudando apenas um detalhe.
    Assim, se a turma/escola não vai bem nas provas, logo a GED começa a exigir uma série de relatórios questionando o trabalho do professor, o que ele vai fazer para modificar essa situação, como se isso definisse a situação final da turma.
    Um professor pode ter dado toda a matéria, trabalhado os assuntos das maneiras mais inovadoras e interessantes possíveis, mas se seus alunos sairem-se mal nestas provas, ele será classificado como sendo um professor com problema, e muitas vezes ele apenas não trabalhou aquele tipo de questão (multipla-escolha é uma incógnita para muitos alunos até hoje).
    A obrigatoriedade pode não estar escrita em uma circular ou resolução, mas todos os professores de Ciências, Matemática e Português que não o fazem, acabam tendo resultados ruins.
    Eu mesmo vejo isso em minha escola agora (sou de Matemática) e, embora minhas turmas não sejam as piores em rendimento na prova, tive de montar um relatório junto com a coordenadora, porque a GED estava cobrando a ela.
    Isso após ela ouvir do elemento da CRE presente ao nosso COC que, se o aluno não fez/entregou alguma tarefa, esta não deveria ser levada em conta no momento da avaliação final, independentemente da razão que levou o aluno a não realiza-la.
    A iniciativa tomada nas modificações realizadas por esta gestão desde o seu início são extremamente louváveis, mas infelizmente, existem elementos nos níveis intermediários que acham que devem obter resultados a qualquer preço, para tentarem subir a custa dos outros.
    Fica aqui meu desabafo. Desculpe qualquer coisa e bom dia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lauro, as provas e os materiais -- apostilas e aulas digitais -- são baseadas na matriz curricular. Mas você pode trabalhar as habilidades e os descritores da forma que bem entender, desde que seus alunos consigam desenvolver as habilidades. As apostilas servem para aumentar as possibilidades de prática. Acho que erros, inclusive com pressões exageradas, podem acontecer e devem ser corrigidas. Compreendo o seu desabafo. Conte comigo no que eu puder ajudar. Abraços.

      Excluir
  7. concordo com o Lauro. Que o projeto e a produção são de qualidade, isso é, para mim inquestionável. No entanto, mesmo que tenha havido erro de formatação tem que haver uma revisão antes de se lançar pra galera os Cadernos.. Trabalho, para ser de excelência tem que ser assim. Errar é humano? Claro! Pode ter havido problema na formatação? Claro? Mas se queremos nosso trabalho reconhecido, não pela mídia mas sim pelos nossos pares, acredito que deva haver mais rigor na revisão de todo o trabalho. O que acho que não podemos fazer é colocar panos quentes e sim aproveitar para melhorar mais ainda nosso trabalho. #prontofalei# rsss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ana Tereza, concordo que devemos sempre primar pela qualidade e por melhorar os processos de revisão. Estamos fazendo isso e continuaremos melhorando! :)

      Excluir
  8. A beleza do projeto está no conceito de Co-criação. Este material é democrático, limpo e massageia nosso ego.
    Ninguém chuta cachorro morto!
    Vamos continuar como os sapinhos surdos,lindos , saltitantes e vitoriosos.
    Deus abençoe!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como bem disse uma professora, "só erra quem faz" ;)

      Excluir
  9. Infelizmente a mídia só veicula o que é de seu interesse, certamente eles encontrariam muitas coisas boas se procurassem, mas infelizmente em nosso país o que dá IBOPE são notícias ruins e depreciativas, ninguém elogia nosso trabalho em meio a tantas dificuldades. Somos uma rede que coloca a cara a tapa, estamos inovando em educação e não temos medo de errar, estamos trabalhando para unidade e excelência, muita coisa precisa melhorar, sabemos disso e se formos persistentes chegaremos lá.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É isso aí! Melhorando e inovando sempre!!!

      Excluir