2.7.15

Dias tristes para uma nação que carece tanto de mais educação

Poderíamos tratar de assuntos muito mais relevantes para o futuro do país, como a reforma da gestão pública, a priorização da educação, a melhoria de políticas de segurança e de saúde ou mais investimentos para a inteligência, a formação e os equipamentos da força policial.

Poderíamos fazer avançar uma nova política de drogas que funcione de verdade, perseguindo as grandes cabeças que lideram o tráfico de drogas, tráfico de armas, tráfico de humanos, entre outros tantos tráficos que limitam o nosso desenvolvimento. Se deixássemos de prender usuários e pequenos traficantes, por exemplo, teríamos uma população carcerária 25% menor e poderíamos usar esse dinheiro em questões mais importantes de tratamento, educação e prevenção contra o uso de drogas, legais e ilegais. Poderíamos quebrar o poder econômico dos traficantes regulando o uso da maconha e de todas as drogas e, com mais campanhas, veríamos o número de usuários despencar, como aconteceu com o cigarro.

Poderíamos debater que medidas são necessárias para que tenhamos um judiciário mais eficiente, como podemos diminuir não só a sensação, mas a impunidade mesmo. Como podemos ter governos mais eficientes? Como podemos receber mais pelos altos impostos que pagamos a cada dia?

Poderíamos ler mais, estudar mais, ouvir especialistas e buscar dados científicos antes de compartilhar meias verdades nessa nova praça pública que é a rede social. Poderíamos tentar entender porque a tendência mundial é reverter a diminuição da maioridade penal, como hoje acontece nos EUA. Poderíamos participar de discussões mais complexas e respeitosas, ao invés de fazer ataques odientos, baseados em achismos.

Poderíamos questionar a manobra de um político e se isso é realmente o mais relevante que ele pode fazer no momento. Que interesses bancam as ações desse senhor?

Infelizmente, nada disso está acontecendo. E nosso país vai retrocedendo, sob os aplausos da maioria que grita, mas não estuda.